INSANIDADE COLETIVA: Maio 2010

segunda-feira, 31 de maio de 2010

A questão da Complexidade Irredutível

Um dos mais notáveis argumentos constestatórios do evolucionismo chega a inicialmente fazer sentido, tanto que algumas vezes é defendido por cientistas razoavelmente respeitáveis, geralmente da biologia Celular e Molecular e nem sempre criacionistas, como os defensores do Design Inteligente, que normalmente são Evolucionistas Teístas, embora acabem fornecendo argumentos aos criacionistas.

Diz que devido ao alto nível de complexidade de um sistema, e devido ao fato deste sistema não funcionar sem qualquer uma de suas partes, estas não poderiam ter sido adicionadas em estágios sucessivos, tendo que ser montadas de uma só vez, ou que ao menos sua montagem deveria ter sido intencionalmente planejada. Células são um exemplo típico, qualquer componente que seja retirado prejudica ou mesmo inviabiliza o funcionamento da mesma. Devido a isso, conclui-se que tal célula não pode ter evoluído adicionando componentes em estágios sucessivos, precisaria ser criada com toda a sua estrutura já pronta.
Este seria o caso de um Organismo que não pudesse ser explicado pela Evolução, especialmente Neo Darwinista, o que, como já previa o próprio Darwin, derrubaria sua teoria, e evidenciaria a possibilidade da Teoria da Evolução Darwiniana ser demonstrada como falha e portanto falseável, que é uma característica vital de uma Teoria Científica.

Este é o melhor argumento dos criacionistas em minha opinião, ainda que tenha sido proposto por evolucionistas. Mas numa análise mais acurada, pode-se perceber que afinal, este argumento não suporta a uma analogia tal qual a do relógio, amplamente usada pelos próprios criacionistas.

Na analogia do relógio, adaptada do teólogo do século XVIII Willian Paley, os criacionistas propõem que seria um absurdo achar que um relógio tivesse surgido por acaso, vindo do nada, ou após a explosão de uma fábrica de componentes. Pedaços de metal e vidro teriam que ter voado e se encontrado por coincidência, se fundido e se organizado de forma totalmente aleatória resultando num complexo aparelho. Seria necessária a ação de uma força criadora intencional.

Evidentemente tal raciocínio é correto, mas não se aplica a questão da evolução, pois nenhum organismo complexo surgiu repentinamente na natureza, eles evoluíram de estados iniciais extremamente simples. Além do mais, a complexidade de um artefato da técnica humana como um relógio, é claramente diferente da complexidade de um organismo natural.

Não há na natureza uma simetria comparável à que existe no relógio, nem mesmo no mundo microscópico, apesar de qualquer célula ser muito mais elaborada que a maioria dos artefatos humanos, ela possui uma "engenharia" natural que não pode ser comparada a tecnologia humana. Na mesma explosão da fábrica, não poderia de fato ter surgido um relógio, mas poderia ter se ajuntado uma poça de substâncias básicas, capaz de servir de meio para o desenvolvimento de substâncias químicas primárias, tal como ocorreu nos primórdios da vida na Terra.

Com o mesmo relógio, façamos agora uma analogia com relação a Complexidade Irredutível. Consideremos que seja impossível remover qualquer peça do relógio sem afetar-lhe o funcionamento. Isso pode provar que ele de fato foi construído em sua forma complexa, tal como a célula. Mas será que o primeiro relógio a ser criado por um Ser Humano já tinha essa complexidade?

Quer dizer que o fato de um automóvel moderno, cheio de recursos e dispositivos complicados, não poder funcionar sem qualquer uma de suas peças, prova que o primeiro carro, o modelo T-Ford, já era assim?

Não fora o relógio, assim como o automóvel, resultado de décadas de aperfeiçoamento através de vários modelos progressivamente mais complexos? Não teria sido o mesmo que a natureza fez com as células?

Evidentemente há um ponto a se considerar, relógios e automóveis não se reproduzem como as células, e isso cria uma distância considerável para a comparação. Distância entretanto bem mais sutil que a do exemplo do relógio em relação ao surgimento espontâneo da vida primitiva.

Porém da mesma forma que a célula replica seu padrão, um modelo de automóvel tem seu padrão copiado até que alguma modificação seja feita. No caso do automóvel isso se dá devido a intervenção humana, na célula devido a variações genéticas refinadas pela Seleção Natural. Guardadas as devidas proporções, a comparação é válida. Para os artefatos humanos tivemos um certo desenvolvimento, mediante inteligência, de alguns séculos, para a evolução biológica, quer mediante inteligência ou não, foram bilhões de anos.



A Armadilha da Complexidade



Mas a forma mais refinada do argumento da Complexidade Irredutível foi criada pelo famoso Bioquímico Michael Behe, autor da obra "A Caixa Preta de Darwin". Que ainda que seja um proponente do Design Inteligente, e portanto não criacionista, representa a mais bem articulada frente de combate à Evolução Neo Darwiniana tradicional.

Behe criou uma analogia que representa muito bem toda a idéia. A Analogia da Ratoeira.

Uma Ratoeira pode ser reduzida a basicamente 3 componentes, um dispositivo sensor, um gatilho e uma espécie de prensa que esmaga o infeliz camundongo, ou o dedo do incauto alguém que como eu, certa vez, teve o desprazer de ter tido uma vaga idéia do que o pobre animal deve sentir ao cair nesta armadilha.

Se o sensor que quando pressionado libera o "gatilho", ou o gatilho, na verdade a mola, que empura a "guilhotina", ou esta "guilhotina" que por fim finaliza o processo, forem removidos, a ratoeira inteira para de funcionar. Portanto, a ratoeira seria o exemplo de um sistema irredutivelmente complexo, que não pode prescindir de qualquer uma de suas partes, não funcionando sem uma delas e por isso, deve ser montada por uma inteligência.

Essa analogia é amplamente usada pelos defensores da Complexidade Irredutível como uma forma de demonstrar que certos componentes das células, tidos por eles como irredutivelmente complexos, não poderiam ter evoluído progressivamente, mas sim ter sido montados por uma ação externa.

É importante lembrar que os sistemas irredutíveis destes proponentes são microscópicos, constituindo evidência no máximo de um planejamento a nível biológico primário, portanto nesse sentido, o que os proponentes do Design Inteligente querem dizer é que a base da vida, em especial as moléculas orgânicas primitivas, não podem ter surgido por acaso, mas sim por intermédio de uma inteligência que daria partida ao processo, ou ocasionalmente intervisse em certos estágios do processo evolutivo.

Desse modo esse argumento é pouco útil para os Criacionistas tradicionais, pois ele admite a evolução mediante uma inteligência, suposição a qual simpatizo muito, mas voltando à analogia, o que me sinto na obrigação de admitir é:
"Essa Analogia é uma das mais brilhantes que já vi, mas cujo brilho vai muito além ou aquém do que pode parecer inicialmente."

Pode ser interpretada como um genial Sofisma, ou apenas como um raciocínio tão ardiloso que talvez seus próprios proponentes, inclusive Behe, tenham sido enganados por ela. Ela é tão brilhantemente apropriada que de fato se constitui uma Ratoeira, uma Armadilha, capaz não só de por em xeque um raciocínio evolutivo, o rato para o qual tal armadilha foi montada, mas capaz também de se virar contra seus próprios proponentes, assim como a ratoeira pode esmagar o dedo do humano que a constrói.

O Primeiro ponto a ser considerado é que o exemplo em si não é adequado a uma comparação com organismos biológicos. Nada há na Natureza que possa ser comparado a uma Ratoeira. Diferente de qualquer organismo celular, a Ratoeira não é independente, ela precisa ser rearmada cada vez que é acionada, por um agente externo, o Ser Humano. Os organismos naturais interagem com outros organismos naturais, dessa forma, não há nenhum dispositivo biológico que necessite da intervenção de um agente externo ao seu próprio macro organismo para ser reativado, não tão externo e distante quanto o é um Ser Humano de uma Ratoeira.

Aqui se constitui a primeira armadilha do argumento, uma vez usado, não raro o alvo, o evolucionista não teísta, cai na ratoeira, sendo levado a um campo de raciocínio onde o Design Inteligente fica em nítida vantagem, o campo humano, onde a ação intencional e inteligente sobre mecanismos inertes é constante. É muito diferente do campo biológico onde todos os organismos não são inertes, mas auto gerenciados, e onde a intervenção de uma ação intencional e inteligente externa, se existe, é simplesmente indetectável.

Capturado na analogia, o "ratinho" evolucionista fica numa cadeia de analogias e associações com elementos que escapam do biológico. Trata-se então de uma ratoeira linguística, que desloca a discussão para um campo onde o raciocínio do Design Intencional pode usar inúmeros recursos.

Para não cair na armadilha, deve-se evitar ir "com muita fome ao queijo", e desconstruir o próprio argumento em si.

Como eu disse, na Natureza não há exemplos comparáveis a uma Ratoeira. Os sistemas orgânicos são interrelacionados com outros sistemas orgânicos de ordem similar. Temos em nosso próprio corpo sistemas que se ativam sobre determinadas circunstâncias, tais como as ratoeiras, mas eles são rearmados por outros sistemas, como se uma ratoeira não fosse rearmada por um Ser Humano mas sim por um outro dispositivo mecânico talvez um pouco mais complexo, que por sua vez seria manipulado por outro, e outro, numa interconexão de mecanismos que acabaria por se constituir numa máquina de alta complexidade, e onde a intervenção de uma inteligência externa ficaria cada vez mais distante.

Se construirmos robôs suficientemente sofisticados, com avançada inteligência artificial e com ordens de se reproduzir e se aperfeiçoar, podemos deixá-los se desenvolver por si próprios, e após milhares ou milhões de anos, talvez eles estejam completamente diferentes e até se questionando sobre suas origens. Por isso, o máximo que a Complexidade Irredutível poderia apontar com alguma propriedade, seria a possível ação de um Ser Criador num estágio muito remoto do passado. Seria uma forma de Deísmo, a idéia de que Deus deu partida na Criação do Universo e depois o abandonou a própria sorte.

Devo dizer que isso é válido, por isso respeito os adeptos do Design Inteligente, mesmo porque eu pessoalmente tenho uma inclinação ao Evolucionismo Teísta. Mas reitero que esse raciocínio não interessa, ou não deveria interessar a seus maiores usuários, os Criacionistas.

Mas é hora de reverter a eficiência dessa ratoeira, e mostrar que ela pode ser inimiga também de seus proponentes, pois se é dito que uma ratoeira é um sistema irredutívelmente complexo, que só faz sentido quando existindo em conjunto, estamos dizendo também que cada módulo deste sistema só pode servir para a função completa da ratoeira. Estamos dizendo que molas, sensores e "guilhotinas" só servem para construir ratoeiras e nada mais, o que evidentemente é uma tolice.

Se removermos o mecanismo que esmaga a vítima, o aparelho deixa de ser uma Ratoeira, mas continua sendo um sensor. Existem milhares de aplicações para um sensor que não sejam disparar golpes fulminantes. Se removermos um sensor, deixamos de ter uma armadilha, mas temos muitos outros usos para dispositivos de tensão pressionadores.

Muito antes de alguém inventar uma ratoeira, já havia alavancas e molas, e aparelhos semelhantes com outras funções. Se nos deixarmos cair na "Ratoeira de Behe", teremos que admitir que esses dispositivos só servem para construir tais armadilhas, e que só surgiram após o a primeira ratoeira ser imaginada.

Além disso esse argumento ataca a Evolução, que prega a construção passo a passo da complexidade orgânica, o que por si só também já gera outro problema, pois mesmo uma ratoeira não é construída instantaneamente e completamente pronta num passe de mágica, ela precisa ser montada peça por peça.

Mesmo que a Ratoeira não tenha uma relação precisa com organismos naturais, é fácil construir uma analogia que esvazia o teor do argumento.

Antes de ser uma Ratoeira, o dispositivo poderia ser um mero sensor que avisasse que um rato, ou outro animal está presente, para que se tome outra providência, ao mesmo tempo que a "guilhotina" poderia ter funções como segurar ou cortar objetos. Então alguém teve a idéia de unir tais dispositivos.

Analogamente um organismo natural pode ter uma função e depois, com o surgimento de outro elemento, mediante variação genética, assumir uma função diferente. Portanto se reduzirmos o dispositivo complexo ele pode deixar de ter sua função inicial, mas pode assumir outra.

Por tudo isso, a analogia da Ratoeira representa com perfeição o argumento da Complexidade Irredutível, ela parece eficiente, mas é uma armadilha sofismática, que pode ser usada tanto a favor quanto contra seus proponentes.

Em suma, a proposta da Complexidade Irredutível embora razoável, não passa de uma especulação filosófica, sem qualquer força para abalar a Teoria da Evolução, mesmo que se demonstrasse infalível. Porém como espero ter demonstrado, o feitiço pode virar contra o feiticeiro, e o argumentista prender seu próprio dedo na ratoeira.

Referência: Marcus Valerio XR

Rio de Janeiro - A religião ditando a política

Rio – O Deputado estadual Pedro Augusto (PMDB-RJ), está muito animado com o projeto do monumento de Vossa Nossa Senhora dos cristãos católicos Aparecida, apresentado pela Empresa de Obras Públicas do Estado ( EMOP).

A sugestão de criação da estátua, foi enviada ao governador do Estado do Rio de janeiro, Sérgio Cabral ( PMDB-RJ) por Pedro Augusto, que é devoto da "santa".

O monumento terá 25 metros de altura, e foi projetado para ser construído a 310 metros acima do nível do mar, no Morro da Viração, na cidade de Niterói.

Totalmente moldada em concreto, a "santa" deverá ser instalada em um base de 4 mil metros quadrados, onde será erguida uma capela com capacidade para 10000 pessoas.

Além da Estrada da Viração, os visitantes poderão embarcar em teleférico que também deverá ser instalado no local. O deputado Pedro Augusto, é radialista e atualmente tem um programa na Rádio Tupi ( RJ), onde sua audiência chega a ter 400.000 ouvintes, segundo o Ibope.

Em um Estado, com altos índices de violência, graves problemas na saúde e educação, um representante político envia uma sugestão de um projeto para satisfazer sua vontade pessoal ou quem sabe apenas realizar o desejo dos devotos da "santa", em um país que se diz Laico ?



Para construir escolas, hospitais, ou creches, não há dinheiro suficiente. Entretanto um projeto que garantirá os votos na próxima eleição, isso deve ter de sobra. A população sequer foi consultada, e você prefere investimentos em educação, segurança, saúde ou contrução de imagens religiosas que por sinal é pecado na religião deles wtf?! ?

Devemos ter cuidado com qualquer interferência religiosa na política, seja protestante, católica,judaica, mulçumana e etc…

Referência: Tela Crente

sábado, 29 de maio de 2010

Jovem apedrejada até a morte no Iraque

"O fundamento da crítica à religião é: foi o Homem quem fez a religião, não foi a religião que fez o Homem. (…) Ela é o ópio do povo. A abolição da religião enquanto felicidade ilusória do povo é uma exigência que a felicidade real formula. (…) A crítica da religião é, pois, em germe, a critica deste vale de lágrima de que a religião é a auréola".
Karl Marx

Este post trás um vídeo muito forte, mas real. Se você é menor de idade, ou é sensível a cenas fortes, por favor, não siga adiante neste post.

Esta jovem, no vídeo, como bem poderá ver, foi apedrejada até a morte. A cena foi gravada no Iraque e o motivo que levou a essa barbárie foi o simples fato de ela namorar um rapaz de outra religião.



Referências:
Ateu e a toa
via: videolog heliocjr

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Religiosos prepararam protestos em funeral de Dio

A Igreja Batista de Westboro o circo de merda, no Kansas, está esteve preparando um protesto a ser realizado no funeral de Ronnie James Dio, que acontecerá aconteceu em 30 de maio, em Hollywood. O grupo sustenta que o roqueiro, que morreu no domingo, 16, de câncer no estômago, era um "adorador de satã" que "incitava a violência".
A igreja, detentora do site Godhatesfags.com (algo como "Deus odeia bichas viados", em tradução livre), é comandada pelo pastor Fred Phelps - que havia declarado que os ataques terroristas e os desastres naturais que têm acontecido são uma vingança de Deus contra a sociedade que tolera a homossexualidade.

"Você sabe que o adorador de Satanás (ou pelo menos um deles) de 67 anos, Ronnie James Dio, famoso pelo Black Sabbath, está morto, certo? Estaremos lá!", escreveram em comunicado. "Só porque as chances de qualquer um dos eleitos de Deus integrar este grupo de bajuladores do heavy metal seja reduzida, não quer dizer que eles não devam ouvir algumas boas palavras." Leia aqui um dos textos (em inglês) liberados no site.

Puta raça de doentes estúpidos! E se dizem pregar o bem, mas não passam de uns retardados, escrotos que nada fazem além de propagar a intolerância e o mal em nome de um amigo imaginário cujo filho, que é o próprio, eles aguardam há uma geração que já se vai em dois mil anos... Ratardados de merda! Por essas e outras que eu odeio religião.


Ronnie James Dio (Ronald James Padavona)
10 de julho de 1942 16 de maio de 2010



Referência:
RollingStone

Religiões do mundo

Anatomia crente

Intolerância religiosa,

Eles não se entendem... eu muito menos.

"Pastor Valdo Pistorio, arma seu microfone ao lado de nosso Templo (de um crente) e agride as religiões afro-brasileiras. Ele chama nossos Guias (dos crentes desta crença) e Orixás de Diabo. Eis a prova do crime, tenho uma gravação completa, esta editei para poupá-los!!! Saravá Xangô (Eh Rama Rama Ding Dong), Justiça seja feita! EU NÃO TOLERO INTOLERÂNCIA RELIGIOSA!"

sábado, 22 de maio de 2010

Como escolher sua religião

Clique na imagem para ampliar.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

666 - Humor

  • 666 — O número da Besta
  • 665 — O vizinho legal da Besta
  • 667 — O vizinho chato da Besta (aquele que é crente)
  • 660 — O número aproximado da Besta (pode ser a Besta)
  • 666,0000000 — O número da Besta em alta precisão (com certeza é a Besta)
  • DCLXVI — O número da Besta em algarismos romanos
  • 0,666 — O número da milibesta
  • 1010011010 — O número da Besta em binário
  • 666 √−1 — O número da Besta imaginário
  • 333 — Um cara meio metido a Besta
  • 443556 — Uma Besta quadrada
  • 6 e... ih! esqueci os outros dois números!... — O número da Besta loira
  • 00666-000 — O CEP da Besta
  • (666) — O DDD da Besta
  • 666.666.666-66 — O CPF da Besta
  • 0900-666-0666 — O serviço de 0900 da Besta. Apenas R$ 6,66 por minuto
  • 666 AB — Ano 666 Antes da Besta
  • 666 DB — Ano 666 Depois da Besta
  • Lotus 6-6-6 — A Planilha de Cálculo da Besta
  • Win666 — O sistema operacional da Besta
  • Pentium 666 — O computador da Besta
  • Boeing 7666 — O avião da Besta (o que bateu no World Trade Center)
  • KIA Motors — A fábrica de automóveis da Besta
  • R$ 665,99 — O preço da Besta
  • R$ 599,40 — O preço da Besta com 10% de desconto (saldo de estoque)
  • R$ 732,60 — O preço da Besta acrescido de 10% de gorjeta
  • 999 — A Besta de ponta-cabeça
  • Aí, Bicho! — Expressão idiomática própria da Besta carioca
  • Cé Besta, sô! — Expressão idiomática própria da Besta mineira. (de Beraba, Berlândia e Belrzonte)
  • 6,66 min — Tempo aproximado que você perdeu para ler esta besteira

A profecia não cumprida do segundo advento

Elaborado por Atheismo.wikispaces a partir do texto de Sky Kunde.

Na Bíblia existem muitas profecias, mas sem dúvida a mais conhecida e celebrada é a que fala do Juízo Final e da Segunda Vinda de Jesus Cristo para recolher todos aqueles que creram nele como o filho de Deus e dar-lhes o "reino dos céus" e a "vida eterna" como recompensa.

Aqui cabe uma pergunta constrangedora: SEGUNDO A BÍBLIA, ISSO JÁ NÃO ERA PARA TER ACONTECIDO?

Como vai ser demonstrado, segundo a Bíblia, Jesus realmente quis dar a entender que O SEU RETORNO ERA IMINENTE E ACONTECERIA AINDA NO TEMPO DE VIDA DE ALGUNS DOS SEUS DISCÍPULOS.
1. Jesus estabelece o prazo para sua volta:

Nos evangelhos sinóticos (Mateus 24, Marcos 13 e Lucas 21), Jesus faz uma extensiva e detalhada descrição sobre o fim do mundo e sobre a sua segunda vinda. E conclui dizendo:

Mateus 24:34 — "Em verdade vos digo que NÃO PASSARÁ ESTA GERAÇÃO sem que TODAS essas coisas se cumpram." (Também em Marcos 13:30 e Lucas 21:32)

Jesus teria dito isto por volta do ano 33 E.C., no século I. Conseqüentemente, A PROFECIA DEVERIA TER-SE CUMPRIDO ATÉ MEADOS DO SÉCULO II E.C., quando morreu a última pessoa de sua geração.

Algumas pessoas tentam defender essa constrangedora profecia não cumprida dizendo que ela apenas se refere à destruição de Jerusalém ocorrida no ano 70 E.C. Porém, a palavra "todas" torna esse argumento pouco convincente: O segundo advento, mencionado como seqüência — e CLÍMAX das tribulações — TAMBÉM deve fazer parte do cumprimento da profecia.

Outra tentativa de defesa é dar à palavra "geração" uma interpretação atemporal, fazendo-a referir-se ao POVO JUDEU ou à CRISTANDADE, por exemplo. Porém, vejamos o que diz a NOVA TRADUÇÃO NA LINGUAGEM DE HOJE, publicada pela Sociedade Bíblica do Brasil no ano 2000. A NTLH busca difundir o conhecimento do texto bíblico facilitando a legibilidade ao evitar o uso de "palavras difíceis". Neste versículo em particular, ela evita o uso da palavra "geração", exprimindo seu significado no contexto original por outras palavras:

Mateus 24:34 — "Eu afirmo a vocês que isto é verdade: essas coisas vão acontecer ANTES DE MORREREM TODOS OS QUE AGORA ESTÃO VIVOS."

Isto mostra que a palavra "geração" na passagem tem seu sentido usual, que naturalmente ocorre ao leitor em uma primeira leitura do texto: o conjunto das pessoas cujos tempos de vida de sobrepõem em uma determinada época, confirmando o prazo de meados do século II para a volta de Jesus.

Alguns julgam enxergar uma escapatória deste prazo na continuação do capítulo:
Mateus 24:36 — "Mas DAQUELE DIA E HORA NINGUÉM SABE, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai." (Também Marcos 13:32)
Mateus 24:42 — "Vigiai, pois, porque NÃO SABEIS A QUE HORA há de vir o vosso Senhor." (Também em Marcos 13:33)

Só que isto NÃO NEGA O PRAZO estipulado acima. Apenas ACRESCENTA que — DENTRO DESSE PRAZO — o MOMENTO EXATO da vinda permaneceria um mistério. Jesus poderia voltar A QUALQUER INSTANTE e portanto os seguidores de Jesus deveriam permanecer vigilantes, e não deixar para se prepararem só perto do fim do prazo, quando estivessem velhinhos.

E ainda que alguma dessas manobras chegasse perto de convencer, O PRAZO É CONFIRMADO por outras palavras atribuídas a Jesus em outra passagem replicada nos três evangelhos sinóticos:

Mateus 16:27–28 — "Porque o Filho do homem há de VIR NA GLÓRIA de seu Pai, com os seus anjos; E ENTÃO RETRIBUIRÁ a cada um segundo as suas obras. Em verdade vos digo, alguns DOS QUE AQUI ESTÃO NÃO PROVARÃO A MORTE ATÉ QUE VEJAM VIR O FILHO DO HOMEM no seu REINO." (Também em Marcos 8:38–9:1 e Lucas 9:26–27)

Outra passagem atribuída a Jesus se refere ao prazo para seu segundo advento:

Mateus 10:23 — "Quando pois vos perseguirem nesta cidade, fugi para outra; porque em verdade vos digo que NÃO ACABAREIS DE PERCORRER AS CIDADES DE ISRAEL SEM QUE VENHA O FILHO DO HOMEM."

Embora esta passagem não cite o prazo de uma geração, é perfeitamente condizente com ela. UMA GERAÇÃO seria tempo suficiente para que a "boa nova" de Jesus fosse anunciada em MENOS DA TOTALIDADE das cidades de Israel. É até inconcebível que TODAS as cidades de Israel já não tenham ATÉ HOJE sido visitadas por cristãos pregando o evangelho!

Também CAIFÁS deveria presenciar a vinda de Jesus do céu:

Mateus 26:64 — Repondeu-lhe Jesus: "É como disseste; contudo vos digo que VEREIS EM BREVE o Filho do homem assentado à direita do Poder, e VINDO SOBRE AS NUVENS do céu." (Também em Marcos 14:62)

Nada disso aconteceu.

2. Primeiros cristãos acreditavam que presenciariam o segundo advento:

João 21:22–23 — "Se eu quiser QUE ELE FIQUE ATÉ QUE EU VENHA, que tens tu com isso? Segue-me tu." Divulgou-se, pois, entre os irmãos este dito, que aquele discípulo não havia de morrer. Jesus, porém, não disse que não morreria, mas: "SE EU QUISER que ele fique até que eu venha, que tens tu com isso?"

Note que o evangelho de João foi escrito tardiamente (entre os anos 90 e 120 E.C.), depois que o tal discípulo acabou — como era de se esperar — morrendo sem que Jesus voltasse. Por isso houve tempo para acrescentar a ressalva do "se eu quiser". Mas a passagem é reveladora ao mostrar que, entre os primeiros cristãos, EXISTIA a idéia de que Jesus viria durante o tempo de vida de pelo menos um de seus discípulos diretos, ou não criariam tal expectativa.

Paulo diz que a ressurreição dos mortos aconteceria antes que todos "dormissem" (i.e., "morressem"), referindo-se ao prazo estipulado por Jesus:

1 Coríntios 15:51–52 — "Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, NEM TODOS DORMIREMOS, MAS TODOS SEREMOS TRANSFORMADOS, num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e OS MORTOS RESSUSCITARÃO incorruptíveis, e nós seremos transformados."

Paulo se inclui entre os que irão testemunhar a vinda de Jesus. Note o seu uso do pronome "nós":

1 Tessalonicenses 4:14–15 — Dizemo-vos, pois, isto pela palavra do Senhor: que NÓS, OS QUE FICARMOS VIVOS para a vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que já dormem. [...]

Paulo pede a Timóteo que observe um mandamento até a volta de Jesus:

1 Timóteo 6:13–14 — Mando-TE [...] que GUARDES este mandamento sem mácula e repreensão, até à aparição de nosso Senhor Jesus Cristo;

Os romanos que crucificaram Jesus iriam presenciar sua volta:

Apocalipse 1:7 — Eis que vem com as nuvens, e TODO O OLHO O VERÁ, ATÉ OS MESMOS QUE O TRASPASSARAM; [...]

3. Primeiros cristãos acreditavam já viver os "últimos tempos":

Paulo de novo usa o pronome "nós":

1 Coríntios 10:11 — Ora, tudo isto lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso NOSSO, PARA QUEM JÁ SÃO CHEGADOS OS FINS DOS SÉCULOS.

Hebreus 1:1 — Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos NESTES ÚLTIMOS DIAS pelo Filho,

Hebreus 9:26 — [...] MAS AGORA NA CONSUMAÇÃO DOS SÉCULOS uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo.

Hebreus 10:25 — Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto VEDES QUE SE VAI APROXIMANDO AQUELE DIA.

Bem, eles acreditavam "ver" os "sinais" dos últimos tempos acontecendo à sua volta, JÁ EM SUA ÉPOCA: Profecias, visões e sonhos inspirados pelo Espírito Santo:

Atos 02:15–17 — Estes homens não estão embriagados, como vós pensais, sendo a terceira hora do dia. Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel: E NOS ÚLTIMOS DIAS acontecerá, diz Deus, Que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne; E os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, Os vossos jovens terão visões, E os vossos velhos terão sonhos.

1 Pedro 1:20 — O qual, na verdade, em outro tempo foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo, mas manifestado NESTES ÚLTIMOS TEMPOS por amor de vós;

Gente zombando dos cristãos pela demora em Jesus voltar foi transformado em "sinal" da que se viviam os últimos dias:

2 Pedro 3:3–4 — [...] NOS ÚLTIMOS DIAS virão escarnecedores com zombaria andando segundo as suas próprias concupiscências, e dizendo: "Onde está a promessa da sua vinda? Porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação."

É engraçado notar que 2 Pedro 3 é um texto tardio (entre 100 e 160 E.C.) escrito justamente para acalmar os cristãos diante do constrangimento da demora e do escárnio, dizendo que a demora é devida à bondade de Deus, para que mais gente possa salvar-se, só que ele NÃO RESOLVE o problema do prazo:

2 Pedro 3:8 — Mas vós, amados, não ignoreis uma coisa: que UM DIA para o Senhor É COMO MIL ANOS, E MIL ANOS COMO UM DIA.

Jesus não estabeleceu o prazo para sua volta em termos de "dias" ou "anos". O prazo é o TEMPO DE VIDA de sua geração ou, mais precisamente, de seus seguidores. Provavelmente alguns cristãos acabaram expressando esse prazo em termos de anos, e o texto tratou de desabonar essas especulações. Mas o prazo realmente dado por Jesus não foi solucionado aqui.

Também a presença de "muitos anticristos" lhes convencia de estarem nos últimos tempos — ou melhor, na ÚLTIMA HORA!

1 João 2:18 — Filhinhos, É A ÚLTIMA HORA. Como ouviste dizer, o Anticristo está para chegar, mas JÁ AGORA há muitos Anticristos, donde SABEMOS que É A ÚLTIMA HORA.

(Se um dia para o Senhor é como mil anos, uma hora seria o quê, 1000 ÷ 24 = aproximadamente 42 anos?) ;-)

4. Declarações genéricas sobre a iminência do segundo advento:

João 5:25 — "Vem a hora, E AGORA É, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus."

Romanos 16:20 — E o Deus de paz esmagará EM BREVE Satanás debaixo dos vossos pés.

Paulo até mesmo sugeriu que não se fizessem planos para o futuro:

1 Coríntios 7:29–31 — Isto, porém, vos digo, irmãos, que O TEMPO SE ABREVIA; pelo que, doravante, os que têm mulher sejam como se não a tivessem; os que choram, como se não chorassem; os que folgam, como se não folgassem; os que compram, como se não possuíssem; e os que usam deste mundo, como se dele não usassem em absoluto, porque a aparência deste mundo passa.

Hebreus 10:37 — Pois ainda em BEM POUCO TEMPO, aquele que há de vir, virá, e NÃO TARDARÁ.

Tiago 5:7–8 — Portanto, irmãos, sede pacientes até a vinda do Senhor. Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba as primeiras e as últimas chuvas. Sede vós também pacientes; fortalecei os vossos corações, porque A VINDA DO SENHOR ESTÁ PRÓXIMA.

1 Pedro 4:7 — Mas já ESTÁ PRÓXIMO O FIM DE TODAS AS COISAS, por tanto sede sóbrios e vigiai em oração

O Apocalipse, por ser justamente uma profecia simbólica da volta triunfante de Jesus, abunda em avisos sobre sua iminência.

Apocalipse 1:1 — Revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu para mostrar aos seus servos as coisas que BREVEMENTE devem acontecer;
Apocalipse 1:3 — Bem-aventurado aquele que lê e bem-aventurados os que ouvem as palavras desta profecia e guardam as coisas que nela estão escritas; porque O TEMPO ESTÁ PRÓXIMO.
Apocalipse 3:11 — "Venho SEM DEMORA".
Apocalipse 22:12 — "Eis que CEDO venho".
Apocalipse 22:20 — Aquele que testifica essas coisas diz: "Certamente CEDO venho."
Apocalipse 27:7 — "Eis que CEDO venho".

5. Conclusão:

Embora os cristãos tentem passar a imagem que a segunda vinda de Jesus é um evento ainda válido para a nossa geração e de data praticamente indeterminada, todas essas passagens implicam que a segunda vinda de Jesus era considerada como um evento muito próximo, não em um sentido divino, mas em termos humanos. É também curioso observar que a descrição que Jesus deu sobre os falsos profetas bate com ele mesmo. Diante do exposto, nada mais nos resta do que aplicar também a Jesus uma passagem na própria Bíblia que diz:

Deuteronômio 18:21–22 — "E, se disseres no teu coração: Como conhecerei a palavra que o SENHOR não falou? Quando o profeta falar em nome do SENHOR, e essa palavra não se cumprir, nem suceder assim; esta é palavra que o SENHOR não falou; com soberba a falou aquele profeta; não tenhas temor dele".

Teria Jesus mentido? Ou na verdade ele era apenas um homem com "boas" intenções?

6. Apêndice: Tentativas cristãs de desqualificar o prazo

(Em preparação.)

Os cristãos gostam de dizer que "texto sem contexto é pretexto" para heresias. Mas é engraçado como eles mesmo DESCONSIDERAM COMPLETAMENTE O CONTEXTO para evitar a interpretação óbvia das passagens que dão o prazo de uma geração para o segundo advento de Jesus.

6.1. Mateus 24:34

6.1.1 "'Esta geração' refere-se ao POVO judeu."

Este argumento se baseia na possibilidade de "genea" ("geração") poder ser traduzido como "nação":

http://htmlbible.com/sacrednamebiblecom/kjvstrongs/STRGRK10.htm#S1074
1074 — γενεα - genea — from (a presumed derivative of) γενος - genos 1085; a generation; by implication, an age (the period or the persons): — age, generation, nation, time.

Note que, apesar de "nação" estar entre as possíveis traduções, a EXPLICAÇÃO do sentido se refere a um conceito claramente TEMPORAL. Não se trataria meramente de uma "nação", mas uma nação em um determinada época.

Mas mesmo que "nação" pudesse ser livremente usada para traduzir genea neste caso, ainda assim "geração" se encaixa melhor no contexto do capítulo. Analisemos o texto:

Em resposta às perguntas dos discípulos (versículos 1-3), depois de falar O QUE iria acontecer (vss. 4-31), Jesus passa a abordar a questão de QUANDO isso iria acontecer.

(Essa divisão é percebida em http://www.bibliaonline.com.br/mt/24 onde o caracter "¶" separa seções do texto.)

Jesus usa uma metáfora para dizer que através de sinais se pode perceber a proximidade de algo. (vs. 32)

Então, passando da metáfora para caso concreto, diz que quando as coisas descritas nos vss. anteriores (4-31) acontecessem, isso seria sinal de que sua volta estaria iminente, ele estaria "PRÓXIMO, ÀS PORTAS". (vs. 33)

Neste ponto o CONTEXTO está focado na PROXIMIDADE da volta de Jesus. Então vem o vs. fatídico:

34 "EM VERDADE VOS DIGO..."

Essa expressão comumente é usada para arrematar um assunto, declarando com mais clareza ou força expressiva algo que vinha sendo apenas sugerido, ou revelando uma informação de relevo dentro do assunto tratado.

Neste ponto, em que se acabou de falar da PROXIMIDADE da volta de Jesus, o que parece ser mais relevante? O que arremata melhor o assunto, justificando o uso da expressão "em verdade vos digo"?

1. "Na verdade, ESTA GERAÇÃO (de meados do século I) não passará sem que todas essas coisas aconteçam." ou
2. "Na verdade, ESTA NAÇÃO (o povo judeu) não 'passará' sem que todas essas coisas essas coisas aconteçam."


Ora, está claro que a opção (1) tem tudo a ver o assunto tratado, dando maior precisão à proximidade da volta de Jesus, e a proximidade é tamanha, tão dramática ("ESTA GERAÇÃO vai presenciar tudo isso!") que justifica o "em verdade vos digo"!

Já a opção (2) não se encaixa bem. Ela não dá nenhuma informação mais profunda, mais relevante, sobre a proximidade da vinda, desviando o assunto e tirando o sentido do uso da expressão "em verdade vos digo". Nada até o momento sugeria a possibilidade de que o povo judeu pudesse desaparecer. Essa informação parece deslocada e não recebe maiores explicações.

Ou seja, O CONTEXTO FAVORECE A INTERPRETAÇÃO DE "GERAÇÃO" EM SUA ACEPÇÃO USUAL: um conjunto de pessoas cujos tempos de vida coincidem.

Sem falar que o verbo "passar" também combina mais naturalmente com essa acepção do que com uma acepção de "nação". O TEMPO passa, e "geração" é um conceito vinculado ao tempo. Para falar de uma nação, seria mais natural dizer que ela "desaparece", "morre" ou algo assim.

Como se tudo isto não bastasse, temos o apoio da NOVA TRADUÇÃO NA LINGUAGEM DE HOJE, publicada em 2000 pela Sociedade Bíblica do Brasil, que deixa claro o sentido de "genea".

Mateus 24:34 — "Eu afirmo a vocês que isto é verdade: essas coisas vão acontecer ANTES DE MORREREM TODOS OS QUE AGORA ESTÃO VIVOS."

6.1.2. "Jesus só voltará depois que o evangelho for pregado em todo o mundo"

Mas TAMBÉM essa pregação (Mateus 24:9-15) deveria ter acontecido dentro da geração dos séculos I/II E.C. A expressão "TODAS ESTAS COISAS" (Mateus 24:33-34) se refere a TUDO o que foi dito em Mateus 24:4-31, e isso obviamente inclui a pregação.

O que temos aqui, na verdade, é MAIS UMA COISA que não aconteceu no prazo estipulado.

Bem, segundo Paulo aconteceu, sim:

Colossenses 1:5-6 — "[...a] palavra da verdade do evangelho, que já chegou a vós, como TAMBÉM ESTÁ EM TODO O MUNDO; [...]"

Colossenses 1:23 — "[...o] evangelho que tendes ouvido, O QUAL FOI PREGADO A TODA CRIATURA QUE HÁ DEBAIXO DO CÉU, e do qual eu, Paulo, estou feito ministro."

Segundo Paulo, a pregação em "todo o mundo" já aconteceu. Se nos basearmos nele, a pregação não constitui algo que esteja atrasando a volta de Jesus.

6.2. Mateus 16:27–28

6.2.1. "Cumpriu-se na Transfiguração."

Exemplo de argumento: "Os três evangelistas registram que a transfiguracão ocorreu com uma semana
depois desta afirmação, implicando assim o cumprimento da predição. A Transfiguração foi uma miniatura do reino de glória."

Mateus 16:27–28 — Porque o Filho do homem há de VIR na GLÓRIA de seu Pai, com os seus ANJOS; E ENTÃO RETRIBUIRÁ a cada um segundo as suas obras. Em verdade vos digo, alguns dos que aqui estão não provarão a morte até que VEJAM VIR o Filho do homem no seu REINO. (Também em Marcos 8:38–9:1 e Lucas 9:26–27.)

A transfiguração não se qualifica como cumprimento disto porque:

* Não é uma VINDA (Jesus JÁ ESTÁ lá).
* Não envolve ANJOS.
* Não é acompanhada de RETRIBUIÇÃO SEGUNDO AS OBRAS.
* Não envolve REINO.


Com a menção à retribuição, percebe-se que Jesus estava se referindo ao SEGUNDO ADVENTO, sua vinda gloriosa entre as nuvens do céu, que seria avistada por todos (Mt 24:30), depois da qual julgaria os homens (JUÍZO FINAL), o que fica claro quando se lê a passagem no CONTEXTO: Nos versículos anteriores Jesus vinha falando de SALVAÇÃO ou PERDIÇÃO da alma (vide Mt 16:24–26; Mc 8:34–37; Lc 9:23–26), coisas que TAMBÉM serão decididas no Juízo Final.

Além disso, fica sem sentido Jesus sugerir um risco de morte ("alguns dos que aqui estão NÃO PROVARÃO A MORTE até que vejam...") que poderia impedir as pessoas de verem algo que aconteceria dali a míseros SEIS DIAS. E os evangelhos não mencionam que Jesus e seus seguidores tenham sofrido alguma espécie de ataque nesse tempo.

Esta passagem também nega a interpretação de a transfiguração constituiu uma visão do reino futuro:

1 Coríntios 2:9 — NEM OLHOS VIRAM, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano O QUE DEUS TEM PREPARADO para aqueles que o amam.

Resumindo:

* A TRANSFIGURAÇÃO não se qualifica como cumprimento do que é dito.
* O contexto reforça que Jesus se refere ao SEGUNDO ADVENTO que antecederia o JUÍZO FINAL.


6.2.2. "Cumpriu-se no Pentecostes."

(...)

6.2.3. "Cumpriu-se quando João viu Jesus em seu reino durante a Revelação (Apocalipse)"

Aproveita-se o verbo "ver" em Mt 16:28 para transformar reles "visões" da vinda de Jesus como cumprimento disso. Mas, no CONTEXTO de Mt 16, é a própria VINDA que faz sentido, não uma VISÃO da vinda. Jesus antes vinha falando de "ganhar" e "perder" a vida por ter seguido suas palavras, uma óbvia referência ao juízo final, que aconteceria após a vinda de Jesus.

Tendo ele falado disso, o vs 28 começa com as palavras "em verdade vos digo..."

Essa expressão costuma introduzir alguma coisa muito relevante em relação ao que vinha sendo dito antes.

Que relevância tem dizer que alguns ali teriam uma VISÃO da vinda dele? Uma mera VISÃO para ALGUNS DALI não tem nenhum efeito prático! Tira todo o sentido da expressão "em verdade vos digo"!

Mas tem MUITA relevância dizer que ALGUNS dali iriam ver a VINDA REAL de Jesus. Isso dá um enorme sentido de URGÊNCIA à necessidade de seguir a Jesus, pois o tempo é espantosamente CURTO. Isto justifica a expressão "em verdade vos digo".

6.3. Mateus 10:23

6.3.1. "Cumpriu-se na Ressureição."

Esta explicação cai muito mal, quando a Bíblia diz que Jesus ressuscitou no TERCEIRO DIA (contando com sua morte: morreu na sexta-feira, ressuscitou no domingo DE MANHÃ), tempo que mal daria para visitar umas poucas cidades MUITO próximas (como Emaús, Lc 24), voltando rapidamente, pois na tarde daquele mesmo dia eles já estavam TODOS reunidos EM JERUSALÉM, escondidos dos judeus (Jo 20:19)! É totalmente SEM SENTIDO dizer que eles não chegariam a visitar TODAS as cidades de Israel, fugindo DE UMA PARA OUTRA, quando eles não teriam tempo de visitar praticamente NENHUMA! E também foi só aí que Jesus efetivamente os enviou a pregar o evangelho, começando por Jerusalém (Lc 24:47-49).

Nenhum deles foi "entregue aos sinédrios" ou "açoitado nas sinagogas" ou "levado à presença de governadores" nesse curtíssimo espaço de tempo. As orientações de Mt 10 só fazem sentido num espaço de tempo maior, no qual Mt 10:23 obviamente se refere ao SEGUNDO ADVENTO.

Fonte: Atheismo.wikispaces

quarta-feira, 19 de maio de 2010

A pedofilia na Igreja Católica

Neste vídeo, eu (autor) defino o que seria a "Pedofilia da Igreja Católica", com as seguintes características:
1. Os criminosos são sacerdotes da ICAR.
2. Os sacerdotes pedófilos usam sua autoridade religiosa para manipular as vítimas.
3. Os sacerdotes pedófilos contam com a ajuda de bispos e cardeais para transferi-los ou protegê-los depois de praticado o crime.
4. Cerca de 70% dessa pedofilia é praticada contra meninos. Ou seja, os sacerdotes pedófilos são homossexuais.
5. Conforme a CNBB, 0,2% da pedofilia do mundo é praticada por padres. Como a proporção de padres no mundo é de 0,0067%, esperávamos que eles cometessem 30 vezes menos pedofilia do que cometem. (http://www.cnbb.org.br/site/eventos/assembleia-geral/3226-bispos-falam-sobre-pedofilia-na-igreja)
6. Conforme outros padres da ICAR, 2% dos padres são pedófilos. Entretanto, como apenas 0,03% da população é pedófila (na realidade, 0,06%, se formos levar em consideração apenas os homens), os padres cometem 33 vezes mais pedofilia do que o esperado.

Dawkins fala sobre "Moralidade Absoluta"

segunda-feira, 17 de maio de 2010

sábado, 15 de maio de 2010

Deus, Um Delírio: Richard Dawkins & John Lennox

O debate entre o ateísmo e o cristianismo sempre teve um importante papel na história humana, porém ambos os lados sempre sentiram que seus argumentos foram mal-compreendidos, o que indica a necessidade de uma contínua comunicação entre eles. Na atualidade, muitos tem se levantado para defender seus pontos de vista. Neste debate, o Dr. Richard Dawkins, escritor do livro "Deus, um Delírio", defende a posição ateísta e o Dr. John Lennox defende a teísta e cristã. Na verdade, o que é um delírio? O Ateísmo ou O Cristianismo? Veja o debate e, se possível, tire suas conclusões. Postado originalmente no blog Deus Em Debate.


A mulher do padre


Agora sabemos como surgiu a expressão.

Leandro Hassum fala sobre religiões no Programa do Jô

sexta-feira, 14 de maio de 2010

A falsa inerrância científica bíblica

Recentemente, após a nova onda de crescimento das religiões, especialmente as pentecostalistas, têm ocorrido cada vez com mais frequência tentativas desesperadas por parte de religiosos de salvar a veracidade bíblica a qualquer custo, apelando para argumentos desenvolvidos há décadas e que há muito foram refutados.

Essas pessoas crêem que a evidência de falhas na Bíblia com relação a assuntos científicos seria um golpe duro na fé Cristã, pois deixaria claro que o seu autor que se alega ser Deus não poderia cometer tais erros. Nem sequer consideram a possibilidade de que no contexto temporal no qual a Bíblia foi escrita seria talvez impraticável, mesmo para uma inteligência superior, revelar conceitos físicos impossíveis de serem compreendidos pelos povos antigos, a não ser que se quisesse transformar tal livro num tratado científico.
E então, através de falaciosas afirmações, de sofismas e valendo-se antes de tudo da ignorância alheia, distorcem totalmente a verdade científica e as próprias interpretações das escrituras, forçando uma harmonia completamente forjada e vazia entre a Revelação Bíblica e a Ciência Acadêmica.

Seria mais lógico dizer que a Ciência é que está errada!

Qualquer tentativa de se adaptar a Gênese Bíblica ao pensamento científico coloca a escritura num plano tão simbólico, hermético e abstrato, que é impossível de ser entendido por alguém sem conhecimentos avançados de hermenêutica, física, simbologia e psicologia, afastando o "Livro Sagrado" do entendimento da maioria das pessoas e tornando sua compreensão possível apenas na contemporaneidade.

Teria o autor da Bíblia escrito passagens que só poderiam ser parcialmente compreendidas milênios mais tarde?

Para exemplificar a atitude daqueles que ainda tentam salvar a validade científica da Bíblia, passemos a três questões no campo da Física, baseadas na Bíblia protestante na versão de João Ferreira de Almeida. E embora seja válido lembrar que o ideal seria uma abordagem no texto original em Aramaico, Hebráico e Grego, com amplos recursos de linguística, hermenêutica e exegese, é proveitoso observar entretanto que os apologistas cristãos que defendem a acurácia científica da Bíblia também não o fazem, usando os versículos em qualquer linguagem.

Sendo assim, adentrando o próprio campo de abordagem usado por tais defensores da inerrância Bíblica, procedo minha refutação da alguns dos mais famosos argumentos em prol da sapiência científica atemporal do Livro Sagrado.

Alguns estusiastas afirmam que a Bíblia:
1 - Nunca declarou o Geocentrismo.
2 - Apresenta o conceito de uma Terra esferóide.
3 - E chegaria ao ponto de subentender a Força Gravitacional.

Vejamos o primeiro ponto.

1 - A BÍBLIA É GEOCÊNTRICA!

De fato a Bíblia não declara explicitamente que o Sol gire em torno da Terra, tal afirmação era feita principalmente por alguns filósofos gregos e alexandrinos e sendo assim a Igreja Católica, influenciada por tais visões, e ignorando propostas Heliocentristas que já existiam antes da própria fundação da Igreja de Roma, assumiu tal postura intransigente, declarando o Heliocentrismo como uma heresia.

O erro teria sido então apenas da Igreja e não da Bíblia? NÃO!

Não se pode eximir a Bíblia de responsabilidade a esse respeito. Por mais que se difame a Igreja Católica não se pode negar que houve sábios em suas fileiras, cientistas e filósofos trabalharam por mais de mil anos, dentro de uma visão científica e bíblica da realidade e é graças as interpretações destes, especialmente dos teólogos, que a Igreja era convicta ao Geocentrismo.

A tentativa de conciliar Fé e Razão é muito mais antiga do que muitos atuais entusiastas bíblicos afirmam, e no entanto tal parceria jamais foi bem sucedida no caso da religião cristã tradicional. A postura geocentrista da Igreja é baseada em exautisvas interpretações exegéticas e hermenêuticas da Bíblia, e não seria justo dizer que em mais de um milênio os teólogos tiveram uma interpretação tão errônea.

Sendo assim, a postura da Igreja deve-se principalmente ao fato de que a Bíblia, embora não declare explicitamente o Geocentrismo, baseia-se exatamente nele! Como muitas passagem evidenciam.

Obs: Será usada a Bíblia Evangélica nesta análise, pois são os Protestantes que em geral, têm assumido a postura de defender a validade científica Bíblica. Os Católicos não têm apresentado tal preocupação, mas se observarmos as mesmas passagens na Bíblia Católica, o resultado final tende a ser ainda mais desastroso.

JOSUÉ [10]
"12 Então Josué falou ao Senhor, no dia em que o Senhor entregou os amorreus na mão dos filhos de Israel, e disse na presença de Israel: Sol, detém-se sobre Gibeom, e tu, lua, sobre o vale de Aijalom. 13 E o sol se deteve, e a lua parou, até que o povo se vingou de seus inimigos. Não está isto escrito no livro de Jasar? O sol, pois, se deteve no meio do céu, e não se apressou a pôr-se, quase um dia inteiro."

JÓ [9]
"5 Ele é o que remove os montes, sem que o saibam, e os transtorna no seu furor; 6 o que sacode a terra do seu lugar, de modo que as suas colunas estremecem; 7 o que dá ordens ao sol, e ele não nasce; o que sela as estrelas;"

ECLESIASTES [1:5]
"O sol nasce, e o sol se põe, e corre de volta ao seu lugar donde nasce."

Como é possível alguém retirar da leitura de trechos como esse, a idéia de que é Terra e não o Sol que se move?

Todas essas idéias levavam em conta o senso comum que garantia que o Sol é que se movia em torno da Terra, não havia como interpretar de outro modo. Se voltarmos a Gênese, veremos que tendo sido o Sol criado após a Terra, seria muito mais lógico entender que ele é que gira em torno desta, caso contrário Deus teria feito a Terra girando em torno de um vazio, para só posteriormente colocar o Sol em seu lugar.

Há várias referências relativas ao movimento do Sol e da Lua na Bíblia, mas ABSOLUTAMENTE nenhuma em relação a Terra. A própria Lua é tratada de forma semelhante ao Sol no que se refere a sua movimentação, e esta sim gira em torno da Terra.

Para a Bíblia, Lua e Sol são astros quase iguais em tamanho. Tanto que na passagem de Josué o Sol se deteve SOBRE a cidade de Gibeom, e a Lua se deteve SOBRE o vale de Aijalom. Para a Lua isso até poderia fazer sentido, pois ela 8 é vezes menor que a Terra, mas o Sol é mais de 100 vezes maior! Ele não pode estar sobre uma cidade e não sobre outra. A Bíblia considera o movimento e o tamanho aparente dos astros como se eles fossem de fato Luminares que se movem no céu, como diz a:

GÊNESE [1]
"14 E disse Deus: haja luminares no firmamento do céu, para fazerem separação entre o dia e a noite; sejam eles para sinais e para estações, e para dias e anos; 15 e sirvam de luminares no firmamento do céu, para alumiar a terra. E assim foi. 16 Deus, pois, fez os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite; fez também as estrelas. 17 E Deus os pôs no firmamento do céu para alumiar a terra,"

É estranho que seja dito que o luminar menor, a Lua, seja feito para governar a noite, uma vez que a Lua também aparece de dia e nem sempre aparece a noite. E repare que o luminar maior, Sol, é visto como um objeto bem menor que a Terra, a ponto de ser "colocado" num firmamento.

A própria inversão de raciocínio entre o quê gira em torno do quê é mal interpretada. A visão geocêntrica declarava que o Sol executava um movimento de Translação em torno da Terra, e hoje sabemos que é ao contrário. Mas na verdade tal ilusão se deve ao movimento de Rotação da Terra.

Em ABSOLUTAMENTE NENHUMA passagem bíblica há qualquer referência ao fato de que a Terra se mova, quer em torno do Sol ou que gire em torno de si mesma. Antes temos o contrário:

SALMOS [96]
10 Dizei entre as nações: O Senhor reina; ele firmou o mundo, de modo que não pode ser abalado. Ele julgará os povos com retidão.

I CRÔNICAS [16]
30 Trema diante dele toda a terra; o mundo se acha firmado, de modo que se não pode abalar.

JÓ [38] 4 Onde estavas tu, quando eu lançava os fundamentos da terra? Faze-mo saber, se tens entendimento. 5 Quem lhe fixou as medidas, se é que o sabes? ou quem a mediu com o cordel? 6 Sobre que foram firmadas as suas bases, ou quem lhe assentou a pedra de esquina,

Entretanto como se pode ver claramente em várias passagens, fala-se sobre movimentos da Lua e do Sol, porque são óbvios!

No episódio de Josué detendo o Sol, é evidente que para tal possuir qualquer credibilidade não seria o Sol que deveria ser parado, mas sim o movimento de rotação da Terra, fato que nem de longe é sequer suposto pela Bíblia. Além disso a ciência sabe que tal evento resultaria em inumeráveis catástrofes climáticas e geológicas no planeta, que também não são sugeridos na escritura sagrada.

Tal período de paralisação da Terra, quase um "dia" inteiro ou seja, pelo menos 12 horas, seria sem dúvida devastador, resultando inclusive em aumento da gravidade, além de incontestável e óbvio aumento de temperatura, fatos totalmente ausentes na escritura, e teria deixado evidências geológicas.

Seria mais coerente afirmar que a Ciência é que está errada do que dizer que ela concorda com tal possibilidade.

2 - NA BÍBLIA A TERRA É PLANA!

O mais famoso e usado argumento dos defensores da legitimidade científica da Bíblia é sem dúvida o mais falacioso, o de que a Bíblia já afirmava a "redondeza", como alguns gostam de dizer, de nosso planeta.

Baseiam-se principalmente na seguinte passagem:

ISAÍAS [40:22]
"E ele o que está assentado sobre o círculo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos; é ele o que estende os céus como cortina, e o desenrola como tenda para nela habitar."

O argumento tenta convencer de que o termo hebráico original pode ser traduzido também por Esfera ou Globo, como algumas traduções menos rigorosas já tem apresentado.

Para início de conversa a Terra não é redonda! É Esferóide, por não ser uma esfera perfeita, Geóide seria o termo mais correto. Afirmar que a Terra é Redonda é bem típico de alguém com pouca rigorosidade a respeito de geometria, baixo rigor este totalmente necessário para aceitar a idéia de que um Círculo pode ser interpretado como uma Esfera.

Círculo é uma figura bidimensional, um polígono de infinitos vértices e infinitos lados.

Esfera é uma figura tridimensional, um poliedro de infinitos vértices e infinitas faces.

Considerando então o restante do versículo, quase sempre omitido pelos apologistas bíblicos, o que combina mais com a idéia de "estender os céus como cortina e desenrolar como tenda"? Faz sentido fazer isso sobre um esfera? Porque então não foi usada uma alegoria similar à que é usada no mesmo livro em

ISAÍAS [22:18] "Certamente te enrolará como uma bola, e te lançará para um país espaçoso. Ali morrerás, e ali irão os teus magníficos carros, ó tu, opróbrio da casa do teu senhor."?

Mas vamos aceitar a hipótese de que tal passagem poderia mesmo se referir a um globo, e nessa suposição, vejamos como as outras passagens da Bíblia que se referem a Círculo poderiam ficar contextualizadas.

PROVÉRBIOS [8]
1 Não clama porventura a sabedoria, e não faz o entendimento soar a sua voz?
...
22 O Senhor me criou como a primeira das suas obras, o princípio dos seus feitos mais antigos.
23 Desde a eternidade fui constituída, desde o princípio, antes de existir a terra.
24 Antes de haver abismos, fui gerada, e antes ainda de haver fontes cheias d'água.
25 Antes que os montes fossem firmados, antes dos outeiros eu nasci,
26 quando ele ainda não tinha feito a terra com seus campos, nem sequer o princípio do pó do mundo.
27 Quando ele preparava os céus, aí estava eu; quando traçava um círculo sobre a face do abismo,
28 quando estabelecia o firmamento em cima, quando se firmavam as fontes do abismo,
29 quando ele fixava ao mar o seu termo, para que as águas não traspassassem o seu mando, quando traçava os fundamentos da terra,
30 então eu estava ao seu lado como arquiteto; e era cada dia as suas delícias, alegrando-me perante ele em todo o tempo;

JÓ [26]
7 Ele estende o norte sobre o vazio; suspende a terra sobre o nada.
8 Prende as águas em suas densas nuvens, e a nuvem não se rasga debaixo delas.
9 Encobre a face do seu trono, e sobre ele estende a sua nuvem.
10 Marcou um limite circular sobre a superfície das águas, onde a luz e as trevas se confinam.
11 As colunas do céu tremem, e se espantam da sua ameaça.

Como podemos ver em Provérbios a Sabedoria narra que já existia enquanto Deus traçava um Círculo sobre a face do abismo, iniciando a construção da Terra evidentemente. Se eu pretendo desenhar um círculo bidimensional num papel, eu posso traça-lo, mas é muito estranho que alguém o faça para construir uma Esfera! Uma forma tridimensional!

Os defensores dessa idéia de que a Bíblia presupunha a esfericidade do planeta omitem uma coisa, a de que a noção primitiva era exatamente de que a Terra era um círculo, plano!

A idéia de uma Terra chata e circular, tal como uma pizza, é muito mais condizente com as passagens anteriores do que a de uma Esfera.

No versículo 29 do Provérbios e no 10 de Jó vemos claramente que havia um Limite para as águas. Por quê?

Por que sem tal limite as águas provavelmente cairiam! No abismo!? Isso precisaria ser sequer cogitado com a idéia de uma Terra esférica? E que naturalmente exigiria uma explicação só fornecida pela força gravitacional?

Há também a clara idéia de que conceitos como cima e sobre, se aplicariam no espaço. Afinal a Terra está sobre o abismo.

Além disso vemos também em Jó e em Amós a palavra Abóbada.

JÓ [22:14]
"Grossas nuvens o encobrem, de modo que não pode ver; e ele passeia em volta da abóbada do céu."

AMÓS [9:6]
"Ele é o que edifica as suas câmaras no céu, e funda sobre a terra a sua abóbada; que chama as águas do mar, e as derrama sobre a terra; o Senhor é o seu nome."

Uma abóbada é uma cúpula, um hemisfério, perfeita para cobrir uma superfície circular tal como a bandeja de uma pizza. O céu seria uma abóbada sobre a Terra, tal como uma tampa hemisférica sobre um círculo plano.

A idéia de tal abóbada, cúpula celeste, não faz o menor sentido numa Terra esférica!

Claro que podemos desconsiderar a abôboda e a substituir por uma "esfera celeste" salpicada de astros, que gira em torno da Terra, como se faziam os eruditos até a Idade Moderna. Isso explicaria o movimento das estrelas, fixas no firmamento, uma vez que a Bíblia nem desconfia de que é a Terra que gira. Isso porém não melhora muito a situação.

JÓ [37:18]
"Acaso podes, como Ele, estender o firmamento, que é sólido como um espelho fundido?"

APOCALIPSE [6:13]
"e as estrelas do céu caíram sobre a terra, como quando a figueira, sacudida por um vento forte, deixa cair os seus figos verdes."

Creio que não seja necessário comentários.

Ainda que os defensores de uma Bíblia condizente com a esfericidade da Terra consigam ignorar tais argumentos, vejamos duas passagens nas quais a idéia de uma terra plana circular é perfeitamente harmônica com a Bíblia.

DANIEL [4]
"10 Eram assim as visões da minha cabeça, estando eu na minha cama: eu olhava, e eis uma árvore no meio da terra, e grande era a sua altura; 11 crescia a árvore, e se fazia forte, de maneira que a sua altura chegava até o céu, e era vista até os confins da terra.
...
20 A árvore que viste, que cresceu, e se fez forte, cuja altura chegava até o céu, e que era vista por toda a terra;"

Esse é o sonho do rei da Babilônia Nabucodonosor, cuja simbologia fora interpretada perfeitamente pelo perspicaz Daniel. Uma Terra plana circular sem dúvida tem um centro, um meio, e qualquer coisa que possua altura suficiente poderia ser vista de todos os pontos deste círculo. Mas faria sentido tal coisa numa Terra esférica?!

Mesmo tal árvore se estendendo ao infinito, quem estivesse na parte oposta do globo terrestre não poderia vê-la!

É claro que tal argumento pode ser sofismado com a alegação que por se tratar de uma profecia baseada num sonho, tal visão não precisaria representar a realidade fisica do mundo. É estranho que um Deus envie uma mensagem utilizando símbolos tão errôneos. Mas se isso não for suficiente veremos que o mesmo erro é cometido novamente numa situação "real", e o pior, dessa vez no Novo Testamento, escrito séculos após Aristóteles deduzir racionalmente a esfericidade do planeta e o próprio princípio da Força Gravitacional.

MATEUS [4:8]
"Novamente o Diabo o levou a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles;"

LUCAS [4:5]
"Então o Diabo, levando-o a um lugar elevado, mostrou-lhe num relance todos os reinos do mundo."

Esses são os relatos dos evangelistas a respeito da tentativa de Satanás de corromper Jesus no deserto.

Voltando ao raciocínio anterior, tal idéia faz sentido numa Terra esférica? Não! Mas numa Terra plana sim.

Por mais alta que fosse a montanha, ainda que maior que o Everest, devido a curvatura do planeta não seria possível ver sequer os reinos próximos ao Oriente Médio como a Pérsia, Egito ou Grécia, que dizer de todos do mundo.

A única saída contra tal argumento é abstrair e apelar para um simbolismo exagerado, aniquilando a originalidade do texto e ferindo mesmo a integridade da Bíblia.

Para completar voltemos a passagem de Eclesiastes.

ECLESIASTES [1]
"5 O sol nasce, e o sol se põe, e corre de volta ao seu lugar donde nasce."

O Sol "nasce", e depois "se põe", fazendo um movimento em arco sobre a "abóbada" celeste. Mas por que o versículo não complementa dizendo apenas que o Sol volta ao seu ponto de origem, o do "nascer", completando um movimento circular em torno do planeta? Por que precisou usar o termo "corre de volta". A idéia que isso sugere é de que ao invés de ele se deslocar de volta ao local de nascimento da mesma forma que se deslocou ao do poente, e no mesmo tempo, o que seria até bastante óbvio, precisa dizer que "corre".

Simples! Por que após se por atrás do horizonte percorrendo a curvatura da abóbada, o sol "corre" por baixo da terra, provavelmente em linha reta! Caso contrário por que deveria se diferenciar o modo de dizer como ele se move de dia ou de noite?

Não há escapatória, quer gostem o não os crentes, a visão da Bíblia é de uma Terra Plana!

O que mais me entristece é a desonestidade de quem usa a passagem de Isaías para impressionar os leigos sem mencionar as outras únicas duas passagens que se referem também a forma da Terra como círculo, mas que deixam claro que não se poderia entender tal círculo por esfera.

Outros chegam a apelar para a idéia de que uma Terra em círculo é superior pelo menos a idéia de uma Terra quadrada. Entretanto nunca houve em qualquer escala notável, uma crença que declarasse uma Terra plana não circular ou no máximo cilíndrica como diziam alguns filósofos gregos.

Tal atitude só pode ser explicada pela ignorância ou pela falsidade!

A visão de mundo da Bíblia é condizente com uma época onde as aparências induziam todos a crer num mundo plano, apesar de que já haviam sábios, contemporâneos da Bíblia por sinal, que sabiam sobre a esfericidade.

3 - A BÍBLIA JAMAIS DESCONFIOU DA FORÇA GRAVITACIONAL!

Os argumentos dos enganadores que tentam empurrar uma Bíblia científicista se baseiam também em afirmar que ninguém, apenas Deus, poderia saber que a Terra era esférica, ignorando ou desprezando sábios como Aristóteles que no terceiro século antes de Cristo, mesma época dos registros arqueológicos confiáveis mais antigos da Bíblia, deduziu por raciocínio lógico a esfericidade do planeta, apenas observando que no limite do horizonte marítimo os navios desapareciam "descendo" a curvatura global, e que a sombra da Terra na Lua era sempre circular, o que numa Terra plana nem sempre seria possível. Ou seja, enquanto afirmam os entusiastas da cientificidade Bíblica que esta demonstrava conhecimento do mundo superior a sua época, os VERDADEIROS FATOS são que ela na verdade tinha uma visão já defasada!

Embora tenha concebido um sistema solar geocêntrico, Aristóteles fez mais, ele solucionou um enigma que para a mentalidade da época era impossível de ser explicado, e do qual a Bíblia evidentemente nem passa perto. Explicou por quê as coisas que estivessem do outro lado do mundo não "caiam" no vazio, que é o que a Bíblia julga que aconteceria com a água se não sofresse um limite estabelecido por Deus. Aristóteles deduziu no terceiro século AC, que todos os objetos eram atraídos para o centro da Terra! Foi o precursor da gravitação.

E mais! Apesar de dizerem que ele errou ao afirmar que a massa dos corpos os levava a cair mais rapidamente, não verdade não houve tal erro, pois como filósofo ele não fazia experiências! Ela apenas deduziu racionalmente que a força de atração da Terra sobre um objeto de maior massa era mais intensa do que sobre uma de massa menor. A Lei da Gravitação Universal é: "Dois Corpos se atraem na razão direta de suas massas e no quadrado do inverso de suas distâncias."

É claro que entre uma folha de papel e um bola de chumbo não somos capazes de perceber essa diferença mesmo no vácuo, afinal em relação à massa da Terra, a massa destes dois corpos é desprezível.

E é sobre essa questão, a da Força Gravitacional, que ocorre o mais débil argumento em defesa da sapiência científica do livro sagrado. Voltando ao mesmo trecho de Jó.

JÓ [26:7]
"Ele estende o norte sobre o vazio; suspende a terra sobre o nada."

Há quem chegue ao ponto de dizer que tal passagem se refira ao campo gravitacional devido a argumentos como o seguinte, apresentado por "teólogos" da Sociedade Torre de Vigília, também conhecidos por Testemunhas de Jeová.

"...Na antiguidade, quando se escreveu a Bíblia, havia muita especulação sobre como a Terra era sustentada no espaço. Alguns acreditavam que a Terra era sustentada por quatro elefantes em pé sobre uma grande tartaruga-do-mar... ( recuso-me a transcrever aqui o raciocínio deturpado que desenvolveram sobre Aristóteles)

A Bíblia, porém, em vez de refletir os conceitos fantasiosos, anticientíficos, prevalecentes na época em que foi escrita, simplesmente declarara (por volta do ano 1473 AEC): "[Deus] suspende a terra sobre o nada." (Jó 26:7) No hebraico original, a palavra para "nada" usada aqui significa "nenhuma coisa", e esta é a única vez em que ela ocorre na Bíblia. O quadro que ela apresenta, da Terra cercada por espaço vazio..."

http://www.watchtower.org/languages/portuguese/library/pr/article_03.htm [Infelizmente (Ou felizmente?) o site da Watchtower decidiu tirar este texto do ar, talvez por ataque de bom senso. Mas coloquei uma cópia para o link acima.]

Comparo esse argumento a alguém que ao comprar um carro usado, desvia o olhar de um pedaço destruído da lataria e insiste em dizer que o carro está em perfeito estado. Pior, quando de repente vê o estrago, diz que isso é exatamente a prova de que o carro está em perfeito estado, pois caso contrário o carro estaria totalmente destruído!

Ele pode até parecer convincente para um leigo ou um racionalmente acomodado, mas não sobrevive a um silogismo. Garante que o fato da Bíblia declarar a Terra suspensa sobre o nada é superior ao da Terra suspensa sobre 4 elefantes e uma tartaruga gigantes. No entando a Terra é suspensa por Deus, da mesma forma que para a mitologia Hindu era suspensa por 4 elefantes e uma tartaruga, e para a mitologia grega era suspensa por Atlas.

E agora a melhor parte, Deus suspende a Terra sobre o Nada! E a tartaruga? Está sobre o quê? Nada! E Atlas? Nada! Não há qualquer vantagem nisso! Se para os Hindus eram precisos animais gigantes ou para os gregos era preciso um titã, para a Bíblia é preciso um Deus! Caso contrário a Terra cairia!

Por quê a Terra precisaria ser suspensa? E ainda mais sobre o nada?

Um garçom precisa suspender uma pizza sobre a mesa, caso contrário ela irá cair. É o mesmo raciocínio da Bíblia.

Os defensores de tal argumento falacioso tentam usar a própria fragilidade do versículo a seu favor, e ainda dizem que o fato de a Terra estar suspensa sobre o nada subentende que essa suspensão se dá devido a força gravitacional!

Se a Terra precisa ser "suspensa", é em relação ao Sol! Para que não "desabe" rumo a ele devido a força de atração, mas o que "suspende", evita tal colisão, é apenas o movimento de translação em torno do Sol, do qual a Bíblia sequer desconfia.

Sendo assim não é a força gravitacional que "suspende" a Terra e sim a energia cinética do movimento de translação, mas é claro que não é sobre isso que a Biblia fala pois sua concepção de mundo é antiga, de que a Terra era um disco plano sustentada por um Deus sobre um abismo ou um nada, coberta por uma abóbada celeste, com um limite demarcado por Deus para que as águas não vazassem para o abismo!

Se tal abismo fosse o espaço em torno da Terra como alguns querem fazer crer, por que se usa "cair" nesse abismo se o mais lógico seria "subir"? Evidentemente a Terra é cercada de Nada por todos os lados, mas na visão bíblica, abaixo deste nada existe um abismo.

DEUTERONÔMIO [33:13]
"De José disse: Abençoada pelo Senhor seja a sua terra, com os mais excelentes dons do céu, com o orvalho, e com as águas do abismo que jaz abaixo;"

Além disso, a maioria dos eruditos na linguagem Hebráica entendem o termo "Abismo" como sendo o Mar, o que torna a interpretação ainda mais absurda, como pode-se ver na idéia de um Universo Aquático, em oposição ao conceito de Abismo como Espaço.

CONCLUINDO

Sobre o que afirmam os pseudo racionalistas que defendem a cientificidade da Bíblia:

1 - Nunca declarou o Geocentrismo?
Explicitamente não. Mas toda a concepção da Terra na Bíblia É Geocentrista!

2 - Apresenta o conceito de uma Terra esferóide?
Não! A Bíblia Apresenta o Conceito de uma Terra Plana!

3 - E chegaria ao ponto de subentender a Força Gravitacional?
Sem comentários!

Escolhi estas 3 questões por que estão interligadas, mas há inúmeras outras passagens na Bíblia que intepretadas literalmente soam como grosseiros "erros científicos", que da mesma forma só podem ser acobertados através de distorções interpretativas. Eis alguns exemplos do que a Bíblia teria a nos ensinar se insistíssemos em vê-la como cientificamente inerrante:

Biologia:
- Manchas e listras no pelo de animais são diretamente determinados por ornamentos no ambiente. GÊNESE [30:35-42]

- Lebres ruminam.
- Há Insetos Alados que andam sobre 4 patas.
- Morcegos são aves.
LEVÍTICO [11]

- O grão de trigo tem que morrer para germinar, se não morrer não germina! JOÃO [12:24]
- O grão de mostarda é a menor de todas as sementes, mas cresce e se torna a maior de todas as hortaliças, e depois se transforma em ávore! MATEUS [13:31-32]

Matemática:
- O valor de PI é 3 exato! I REIS [7:23] II CRÔNICAS [4:2]

Química:
- Ouro enferruja! TIAGO [5:3] E pode ser transparente como vidro! APOCALIPSE [21:21]

Saúde:
- Nascendo um menino, a mãe é considerada imunda por 40 dias, se for menina, imunda por 80 dias. LEVÍTICO [12]
- Sangue de animais sacrificados esterilizam doenças. LEVÍTICO [14]
- A mulher menstruada é tratada como leprosa, tendo que ficar isolada por 7 dias. LEVÍTICO [15]

E isso tudo sem falar em Criacionismo, Dilúvio, Homens Gigantes, Dragões e etc.

MAS A GRANDE QUESTÃO EM SI É:
A evidência de erros científicos na Bíblia invalida sua autoria transcendente?

Em minha opinião, não necessariamente. Mesmo uma inteligência superior utiliza termos e linguagem de uma inferior ao se comunicar com ela. Utilizar conceitos como Heliocentrismo, Esfericidade planetária e Gravidade para explicar a um povo ignorante conceitos éticos, morais e religiosos seria extremamente insensato. Além disso interpretando o texto poética e alegoricamente, todas essas incoerências científicas são esvaziadas, juntamente com qualquer interpretação literal e fundamentalista.

Quem daria importância ao conteúdo moral de uma mensagem que pareceria trazer um absurdo físico?

A não ser que se acrescentasse a Bíblia centenas de outros textos para explicar conceitos científicos revolucionários para a época, que sem dúvida poderiam gerar uma reação de ridicularização ou uma precipitação no desenvolvimento científico de um povo que provavelmente não seria maduro para lidar com tal conhecimento.

É por isso que acredito que a Bíblia não necessita dessas tentativas vãs que tentam lhe atribuir exatidão científica.

Minha intenção aqui não foi de forma alguma combater a Bíblia, ela é uma obra literária que merece todo o nosso respeito como patrimônio cultural da humanidade, mas sim a atitude desonesta e covarde daqueles que se valem da ignorância alheia para impressionar e seduzir outras pessoas a uma fé que talvez não lhe seja vocativa.

Meu compromisso é contra a Mentira e a Ignorância!

Pessoalmente acredito que possa haver passagens da Bíblia que tenham emanado de uma inteligência superior, não são todas, e acho que nem sequer a maioria. O tema do Evangelho é revolucionário, ousado e de uma beleza e profundidade realmente incompatíveis para o ambiente em que foi pregado.

O Salmos é de uma poética impressionante, traz passagens belíssimas, assim como os Provérbios e outros dos livros poéticos.

A Gênese é riquíssima em símbolos preciosos sobre a psique humana, com um conteúdo que sem dúvida ajuda a compreender nuances culturais históricas e psicológicas.

E agora me desculpem os crentes, mas Êxodo, Deuteronômio, Josué, Juízes e alguns outros apresentam um Deus simplesmente psicótico e perverso, além de que o programa de saúde do Levítico é de uma ignorância digna de seu tempo.

Não posso negar a possibilidade lógica da intervenção de uma inteligência espiritual transcendente na Bíblia, da mesma forma que no Corão, no Mahabarata, no Zend Avesta, no Rig Veda, no Tao Te King, no Pistis Sophia, na Cabala e etc.

Se alguém recebesse uma mensagem emanada de um plano superior não creio que tal mensagem seria literal e explícita, mas sim viria intuitivamente, o conteúdo principal desta mensagem no caso de um caráter Ético fica intacto apesar de sua forma variar, mas todos os demais detalhes simbólicos podem ser adaptados a cultura do local e época.

Eu não acredito na inspiração divina na Bíblia, como pode-se ver em meu texto É a Bíblia Divinamente Inspirada?, mas como filósofo não posso negar tal possibilidade lógica. Porém para aqueles que acreditam, tentar usar argumentos da cientificidade inerrante destrói a própria possibilidade.

A falta de criatividade dos defensores da cientificidade da Bíblia parece impedí-los de construir argumentos que poderiam eliminar a discussão, sem prejuízo significativo tanto para o livro sagrado, para as religiões que nele se baseiam e para a Ciência.

Se eu fosse um teólogo cristão convicto criaria argumentos mais sutis, como por exemplo: No caso da passagem da Isaías 40:22, de que talvez o que o profeta tenha intuido, captado do plano superior, fosse a imagem ou a idéia do globo terrestre, mas sua mentalidade marcada pela concepção de uma Terra plana circular o fez descrevê-la desse modo. Ou talvez sua essência, alma ou seja lá o que for tivesse sido elevada as alturas do espaço onde ele pode ver a Terra "redonda", mas esta evidentemente lhe pareceu um círculo. Isso não prejudicaria o demais conteúdo moral e doutrinário.

Mas prefiro aplicar minha inteligência em algo mais construtivo, e confiante não em minha habilidade argumentativa, mas sim na simples auto evidência da "Errância" Bíblica quando forçada em questões científicas, desafio qualquer um a me refutar com relação a esses argumentos.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

quarta-feira, 12 de maio de 2010

O 'bízimo'

Via:
Eu já estava com saudade do apóstolo mais poderoso do Brasil, o campeão mundial de natação em mar aberto ao lado de tubarões como ele mesmo já disse em uma de suas pregações quando visitou a África e que inclusive em suas andanças pelo deserto correu de jipe por cima de minas terrestres que explodiu fazendo o veículo capotar, mas como ele é um homem ungido, nada de mal acontecera. Procure seu testemunho no youtube.
Mas vamos ao que interessa, quando o apóstolo Valdemiro Santiago criou o tal trízimo no final do ano de 2009, ninguém imaginava que isso iria dar certo. Entretanto Silas Malafaia fez o mesmo no mês passado, de imediato eu até pensei que em represália o apóstolo iria cobrar o quatrízimo. Errei feio na verdade o apóstolo criou o Bízimo, que é o dízimo em dobro, o que resulta em 20% da renda do fiel.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Frutos do AMOR e do MEDO

Frutos do "AMOR" e do "MEDO", por Marcus Valerio XR
O título deste texto pode parecer ridículo, mas trata-se apenas de uma interpretação literal facilmente demonstrável de alguns termos relevantes.
Os próprios Criacionistas acusam o Evolucionismo de ser uma FILOSOFIA, e de fato ele é fortemente influenciado por esta da mesma forma que todo o pensamento científico em geral.
FILOSOFIA vem da palavra grega PHILO SOPHIA, que significa "AMOR FILIAL à SABEDORIA", sendo assim a Filosofia é fruto de uma sensação de deslumbramento com o mistério, de gosto pelo conhecimento, ou seja, do AMOR livre e espontâneo pela busca da verdade.

Sendo a CIÊNCIA fortemente influenciada pela Filosofia, e sendo a atividade científica fruto da livre escolha da pessoa que se dispõe a ser um cientista, é claro que o esta pessoa é movida pelo gosto ao conhecimento. Ou seja, um Filósofo e um Cientista escolhem seus caminhos por livre e espontânea vontade, por gosto. Por AMOR.

Sendo assim o EVOLUCIONISMO é um fruto dessa busca, um fruto da Ciência e da Filosofia, um FRUTO DO AMOR.

O Criacionismo por sua vez não deixa de ser uma Filosofia, embora gostaria mais de ser uma Ciência, mas antes de tudo ele é TEOLOGIA CRISTÃ, baseando todo o seu conhecimento na própria Bíblia.

E é a própria Bíblia que declara:

"O temor do Senhor é o princípio do conhecimento; mas os insensatos desprezam a sabedoria e a instrução." (Provérbios 1:7)

"então entenderás o temor do Senhor, e acharás o conhecimento de Deus." (Provérbios 2:5)

"O temor do Senhor é o princípio da sabedoria; têm bom entendimento todos os que cumprem os seus preceitos; o seu louvor subsiste para sempre." (Salmos 111:10)

Se for assim todo o conhecimento que se obtêm através da Bíblia, base de todo o CRIACIONISMO, é FRUTO DO MEDO perante Deus. E por que é necessário esse Medo? Por que é preciso tal Temor?

Em minha opinião é simples. Se não houver esse medo da Ira de Deus, esse Temor de Sofrer no Inferno, aquele que buscasse o conhecimento na Bíblia poderia colocar essa busca em primeiro lugar, e cedo ou tarde, iria se desviar de alguns ensinamentos bíblicos, e a religião perderia força. O conhecimento é a maior arma contra o fundamentalismo religioso, e a própria essência da religião abrâamica já previa isso, tanto que Adão e Eva foram expulsos do Éden por comerem do Fruto da Árvore do Conhecimento.

Com esse entrave psicológico do Medo, aquele que busca o conhecimento dentro da Bíblia terá limites claros de alcance, qualquer prenúncio de algo que contradiga a revelação aciona o mecanismo de Temor da Ira de Deus e do Inferno, mantendo os teólogos e apologéticos na linha.

Por isso são aceitos tantos dogmas e contradições irracionais, é melhor aceitar a idéia de que algo totalmente sem sentido seja um mistério divino, do que pensar no fato de que seja pura e simplesmente algo SEM SENTIDO sabendo que isso pode ser considerado um pecado púnivel de modo infinitamente cruel.

Assim funciona o Fundamentalismo Cristão. Pelo MEDO! Pela AMEAÇA do sofrimento perpétuo. Pelo uso indiscriminado da figura de um Demônio ardiloso e um Deus vingativo. Até mesmo os crentes sensíveis preferem não arriscar. E melhor estar errado sendo um fundamentalista tacanho caso não exista Deus, ou exista um Deus verdadeiramente Amoroso, do que estar errado sendo racional e coerente caso exista de fato o paranóico deus pregado por eles.

Na realidade tudo isso não passa de um jogo de palavras, quase um trocadilho, mas ainda assim é notável e revelador.

CRIACIONISMO e EVOLUCIONISMO são respectivamente Frutos do MEDO e do AMOR.